As Relações de Consumo na Internet

March 6, 2018

Com o avanço das práticas contratuais no período da Idade Média, o contrato passou a ser a forma escrita pela qual as pessoas se vinculavam, dentro de suas necessidades patrimoniais.

Em uma sociedade totalmente capitalista, na qual o mercado de consumo é indiscutivelmente impulsionado pelo Estado, mesmo que de forma indireta, é criada uma lei federal que objetiva regular as relações de consumo, trazendo princípios norteadores para a segurança jurídica dos fornecedores e dos consumidores.

 

Paralelamente a isso, a evolução tecnológica trouxe o chamado e-commerce, onde as pessoas, tanto consumidores quanto fornecedores, não precisam mais se deslocar de suas residências/empresas para movimentarem o mercado de consumo.

As relações de consumo advindas da Internet são realizadas através de contrato de adesão, previsto pelo Código Civil e pelo Código de Defesa do Consumidor, sendo denominado, neste âmbito, de contrato eletrônico.

Como toda relação entre partes diferentes, o contrato eletrônico pode ser analisado segundo um acordo de vontades regulado pelo CC, quanto segundo uma relação de consumo, que se enquadra na Lei 8.078/90, isto porque, não existe, na legislação pátria, uma lei que regule as relações do e-commerce.

Posto isso, utiliza-se, no Brasil, para as relações consumeristas oriundas de contratos eletrônicos o Código de Defesa do Consumidor.

No presente trabalho, buscou-se demonstrar que o CDC não foi criado para simplesmente proteger o consumidor vulnerável, mas sim para equilibrar as relações de consumo, trazendo segurança jurídica entre as partes contratantes.

Não obstante à isso, é mister salientar que a ciência jurídica está constantemente necessitando de readaptações, vez que deve acompanhar a velocidade do desenvolvimento humano.

Desta forma, as relações contratuais, que decorrem da autonomia da vontade, seja ela em sua totalidade, quando determina cláusulas contratuais, seja quando a parte age somente como “aderente”, sempre deverão estar pautadas na lei e nos costumes.

Assim sendo, as relações do e-commerce devem ser baseadas nos princípios gerais dos contratos e nos inerentes às relações de consumo, de modo a equilibrar tais relações, observando, prioritariamente, a boa-fé e a razoabilidade.

Ante o exposto, observa-se que o Direito deve estar em compasso com a realidade da sociedade humana, que evolui de forma desenfreada, exigindo do legislador e dos aplicadores do direito a observância das regras de experiência e de adequação dos costumes atuais na aplicação das leis, em detrimento de regulamentos ultrapassados pela evolução da pessoa humana.

Tal adequação, por certo, trará e manterá a necessária segurança jurídica para a formação dos contratos e de todos os demais negócios jurídicos.

(Dra. Roberta F. de Almeida Salles, advogada, especialista em contratos pela Escola Paulista de Direito, atuante nas áreas de direito do consumidor, civil, trabalhista e assessoria empresarial).

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
logo preto alta fundo transparente.png
11 4402-7484
11 94721-7302
  • Facebook ícone social
  • Instagram

© 2018 por Roberta Salles. Criado com  Raf Print Comunicação